Home Destaque Empresária se diz contrária a lockdown e cobra ações do poder público
fullinterna_3
fullinterna_2

“NÃO É A SOLUÇÃO”


Empresária se diz contrária a lockdown e cobra ações do poder público

Vista como desnecessária, Marchiane Fritzen teme que a medida possa aprofundar a crise do desemprego

| Por Redação

Uma medida desnecessária e que não vai contribuir com a diminuição dos casos de infecção pelo coronavírus. É assim que a empresária Marchiane Fritzen, do Grupo Gera Medicina, enxerga a possiblidade da decretação de um lockdown em Rondonópolis, o que vem sendo ventilado há dias por conta lotação das UTIs para covid-19 na cidade e à classificação de riso de infecção da doença, que passou de alto para muito alto na cidade.

“Nós somos completamente contra o lockdown, tendo em vista que é sabido que ele não tem resolutividade. Se tivesse resolutividade, nós já estaríamos saindo disso daí (pandemia). Como somos da área da saúde, temos acompanhado e apesar de não ter comprovação científica o que estou falando, estou falando de fatos que a gente tem acompanhado, o lockdown hoje faz é piorar”, declarou a empresária.

Ela explica que a maioria dos casos se dá entre familiares, o que no seu entendimento, torna a medida desnecessária e sem sentido, já que as transmissões se dão em muitos casos dentro das próprias residências das famílias. “É claro que nós temos festas clandestinas, pessoas que não respeitam as regras de distanciamento, que não têm consciência, mas nós também não vemos por parte dos órgãos públicos uma campanha de conscientização, investimento em fiscalizações. É esse nosso questionamento”, pontuou Marchiane.

Para ela, medidas como o acompanhamento das pessoas infectadas e outras medidas surtiriam mais e melhores efeitos que o simples trancamento da cidade, que pode contribuir para o agravamento do desemprego e com o fechamento de setores produtivos locais. “Em vez de se fazer o lockdown, prejudicar o comércio, os empregos. A gente vê essa administração municipal falar que gosta tanto das pessoas, do povo, mas o povo é que está sendo prejudicado”, completou.

“O que a gente vê em todos os lados da cidade é a incerteza, e tudo porque não foi bem aplicado bem os recursos que vieram do Governo Federal, onde deveriam ser investidos. Então, nós somos contra o lockdown, porque sabemos que não é a solução”, concluiu.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here