Home Chicote REIVINDICAÇÃO I Setor de eventos e artistas querem flexibilização de horários
fullinterna_2


REIVINDICAÇÃO I Setor de eventos e artistas querem flexibilização de horários

| Por Por Denilson Paredes

Um grupo de empresários do setor de eventos e artistas que sobrevivem trabalhando à noite em bares e restaurantes da cidade quer a flexibilização do horário que estabelece que os mesmos podem até no máximo as 20 horas, horário limite estabelecido por meio de decreto municipal. Eles reclamam das dificuldades financeiras enfrentadas por conta das medidas restritivas que visam proteger a população contra o contágio pela Covid-19 e se dizem penalizados pelas restrições.

De acordo com a empresária Gilvana Aguilar, empresária do ramo de eventos, o segmento se vê prejudicado pelas medidas restritivas, que limita a capacidade dos locais de eventos, e pelo horário imposto pelo poder público. “Nós queremos voltar a trabalhar, seguindo todas as recomendações, todos os protocolos de biossegurança, que é o que nós já fazemos. Estamos aqui para contribuir com o poder público na conscientização”, afirmou.

Ela também diz que o setor aguarda pela vacinação e que entende que dessa forma as coisas possam voltar ao normal.

“Muitos do nosso setor estão sobrevivendo de cestas básicas. Nós não queremos passar por essa humilhação. Nós queremos trabalhar”, pontuou o músico Max Ferraz.

Questionado sobre o risco de ampliar o horário de apresentações artísticas em bares e restaurantes e em eventos em um momento em que todas as UTIs para Covid-19 da cidade estão lotadas, o profissional da noite dividiu a responsabilidade com a sociedade. “Assim como também é perigoso a trafegabilidade dos comércios diários. Nesse momento, tudo inspira problema. Para se ter uma ideia, a prefeitura estava abarrotada de gente ontem (anteontem)”, contemporizou.

No seu entendimento, o setor que vive no entorno da vida noturna está sendo mais penalizado que outros segmentos e ele diz que a categoria quer buscar um entendimento com o poder público para amenizar essa situação.

De sua parte, o presidente da Câmara, Roni Magnani (SD) afirmou que o Parlamento irá buscar um entendimento, para sem afrontar a legislação e os decretos vigentes, encontrar uma forma de ajudar o segmento.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here