Home Editorias Agricultura O Boletim do Leite de maio está disponível no site!
fullinterna_3
fullinterna_2


O Boletim do Leite de maio está disponível no site!

| Por


Cepea, 19/05/2021 – Nesta edição, confira:

 
Seca e custos de produção em alta impulsionam preços no campo
Pesquisas – ainda em andamento – do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, apontam para um cenário de oferta limitada de leite no campo devido ao clima seco e à elevação dos custos de produção. Assim, a expectativa é de que o movimento de valorização ganhe força já no pagamento de maio (que se refere à captação de abril), de modo que, na Média Brasil, os preços devam ultrapassar o patamar de R$ 2,00/litro. Leia mais. 

Valorização da matéria-prima mantém preços dos derivados em alta
Os preços dos derivados lácteos comercializados no atacado de São Paulo apresentaram alta pelo segundo mês consecutivo, devido à valorização da matéria-prima. O leite UHT teve média de R$ 3,07/litro, enquanto o leite em pó fechou a R$ 21,56/kg em abril, aumentos de 0,99% e de 1,92% em relação a março/21, respectivamente. O preço do queijo muçarela também subiu no mercado atacadista de São Paulo, com média de R$ 21,64/litro, acréscimo de 3,74% no mesmo comparativo. Leia mais. 

Câmbio elevado reduz importações pela metade em abril
As importações brasileiras de produtos lácteos totalizaram 7,3 mil toneladas em abril, a metade do volume registrado em março. Esse cenário se deve ao elevado patamar da moeda norte-americana, que teve média de R$ 5,54 em abril. Outro fator atrelado ao menor volume de compras de lácteos foi o aumento das cotações no mercado internacional.  Leia mais. 

Pelo 20º mês consecutivo, abril confirma tendência de alta dos custos
O Custo Operacional Efetivo (COE) da pecuária leiteira registrou alta de 0,48% em abril, o 20º mês consecutivo de aumento nos custos de produção do setor. No acumulado de 2021, a “média Brasil” (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP) já subiu 8,83%. Em abril, o estado de Goiás foi o que registrou a maior elevação nos custos, de 1,05%. Essa alta esteve atrelada às valorizações dos suplementos minerais e dos concentrados. Na “média Brasil”, a suplementação mineral também foi o grupo que mais se elevou no mês, com alta de 1,26%. Leia mais. 

Fonte: CEPEA

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here