Home Chicote Vereadores e secretário se enfurecem por atraso de UTIs no Regional de...
fullinterna_1
fullinterna_2


Vereadores e secretário se enfurecem por atraso de UTIs no Regional de Rondonópolis

| Por Da Redação NMT
Expectativa de novos 20 leitos de UTI no Hospital Regional foi frustrada e direção da unidade omita informações de autoridades, que se revoltam...

A entrega de mais 20 leitos de Unidades de Terapia Intensiva – UTIs, próprios para atender pacientes om COVID-19, marcada para ocorrer na noite desta sexta-feira (9), não só foi cancelada como virou uma grande polêmica na porta do Hospital Regional de Rondonópolis.

A vereadora Marildes Ferreira (PSB), ex-secretária de saúde de Rondonópolis e membro da Comissão de Saúde do Legislativo Municipal, o vereador Reginaldo Santos (SD), bem como o atual secretário municipal de saúde, Vinícius Amoroso, estão na porta da unidade de saúde sem serem recebidos e sem respostas sobre o porquê os leitos não terem iniciado os trabalhos.

A parlamentar, aliás, falou ainda pela manhã ao NMT que a expectativa era enorme pelo incremento desta estrutura, já que somadas aos outros 10 leitos de UTI COVID do próprio Regional, os outros 20 da Santa Casa, bem como os outros 10 da Unidade de Pronto Atendimento – UPA, seria possível pleitear a retirada de Rondonópolis da classificação de risco “muito alto” no Governo do Estado e até flexibilizar medidas restritivas.

Todavia, Marildes e outras autoridades simplesmente foram avisados que o evento foi cancelado e pouco ou quase nada além de informações foi repassado. O secretário Vinícius Amoroso testemunhou que o próprio Município se esforçou para estender a mão e cedeu equipamentos para permitir a ativação dos leitos na unidade estadual. Mesmo com a estrutura entregue, o funcionamento não foi efetivado e as autoridades foram ignoradas pela direção do hospital no portão do mesmo.

“São 20 leitos que poderiam salvar a vida da nossa gente e que estão parados porque o Governo do Estado não entrega. Agora o porquê, qual o motivo…? (SIC) Tudo que foi pedido pelo Governo do Estado foi atendido. Inicialmente era equipamento, foi resolvido, depois era escala profissional, foi resolvido, e agora eles não falam com a gente e não dão nenhuma justificativa. Estamos tratados como bandidos, literalmente presos”, esbravejou entre as grades do portão da unidade.

Marildes também não escondeu o descontentamento. “É uma situação constrangedora. Quando recebemos a informação que estes leitos seriam entregues, saímos da reunião do Comitê e viemos direto pra cá. Foi nos informado: falta ventilador de transporte, a UPA emprestou. Aí veio: falta aparelho de marca passo, a Santa Casa emprestou. Depois que tudo isso estava pronto, agora é a escala (profissional), sendo que a escala estava montada desde o dia 3”, lamentou.

Versão

O deputado estadual, Claudinei Lopes (PSL), entrou em contato com o secretário de saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, e há pouco lançou um áudio em suas redes sociais pontuando a versão do gestor estadual, apontando inércia da empresa vencedora do processo licitatório e responsável por realizar o serviço de UTI nos hospitais da rede pública mato-grossense.

“Os leitos já estão prontos para funcionar, só que o problema é a empresa que venceu a licitação. Ela recebe do Governo Estadual e é responsável pela equipe técnica (médicos, assistentes de saúde e outros peritos para intubações e outras necessidades), além de fazer escala e fornecer todos os medicamente necessários para funcionamento da UTI COVID. São quase 500 leitos de UTI COVID contratados dentro de MT que funcionam assim e no Regional também será assim. O Governo afirma que notificou a empresa dia 30, fez uma nova notificação e está aguardando resposta. Pelo que entendemos, não adianta o Município fornecer equipamentos ou a Santa Casa fornecer porque a empresa não forneceu uma escala de profissionais. Está atrasado um mês, não há pessoas capacitadas. O prazo está sendo ampliado para eles pra ver se resolve o mais rápido possível, já que a solução do distrato seria ainda mais morosa”, detalhou o parlamentar.

Enquanto isso, Rondonópolis já totaliza 24.601 casos de COVID-19 e até a tarde desta sexta-feira (9) 623 óbitos já haviam sido contabilizados. As 20 vagas de UTI existentes na Santa Casa, as 10 do Regional e os 8 leitos disponíveis na UPA, segundo o boletim divulgado pela Prefeitura, estão 100% ocupados. NÃO HÁ VAGAS DE UTI PARA INFECTADOS POR COVID NA CIDADE… 

Acompanhe o secretário e vereadores na porta do Regional:

 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here