Home Editorias Geral ESPERTÃO | Médico é investigado após tomar vacinas da CoronaVac e a...
fullinterna_3
fullinterna_3
fullhome_1

ESPERTÃO | Médico é investigado após tomar vacinas da CoronaVac e a de Oxford


| Fonte: Da Redação NMT com Isto é
médico
Foto: Ilustração

O médico Oliveiro Pereira da Silva Alexandre, que se apresenta como “Dr. Oliveira ”, está sendo investigado após revelar em um vídeo divulgado nas redes sociais que tomou“ por conta própria ”duas doses de vacinas diferentes contra Covid-19, em Assis, no interior de São Paulo. Conforme as informações são do G1.

Na gravação, o médico admitiu que tomou inicialmente uma dose da Coronavac e, segundo ele, menos de uma semana, outra dose da vacina de Oxford / AstraZeneca. O vídeo foi apagado na terça-feira (16). O procedimento é o procedimento aos protocolos de vacinação aprovado pelo Ministério da Saúde.

De acordo com a prefeitura de Assis (SP), o médico tomou como doses de laboratórios distintos em um intervalo de quatro dias. No dia 29 de janeiro, ele tomou a primeira dose da Coronavac no Hospital Regional, na condição de servidor público que trabalha na linha de frente de combate à pandemia.

Já no dia 2 de fevereiro, o médico conseguiu receber uma dose da AstraZeneca, como beneficiário de um convênio da cooperativa médica da qual ele é integrante. Conforme o médico, a intenção dele foi avaliar informações da imprensa internacional de que a combinação de vacinas de laboratório diferentes poderia ser mais eficiente como prevenção às novas variantes do vírus.

Repúdio e investigação
Segundo o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchtey, do Ministério Público deve investigar o caso. “Todas as irregularidades estão sendo acompanhadas de perto pelo MP para avaliar como condutas de quem deu uma dose, quem ligou, e por que isso aconteceu fora do que é preconizado pelo PNI [Plano Nacional de Imunização]. Cada dose de vacina é patrimônio público e seu uso incorreto deve ser apurado ”, disse Gorinchtey.

A secretária municipal da Saúde de Assis, Cristiani Silvério, afirmou que o caso já foi notificado para o Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE) do estado e ao Departamento Jurídico da prefeitura para que todos os procedimentos legais sejam tomados.

Conforme a secretária, é possível que o sistema Vacivida, que faz o controle da vacinação no estado, pode ter sofrido alguma instabilidade pelo grande fluxo de informações e, por isso, não conseguiu evitar a duplicidade na vacinação.

“A atitude do médico nos causa indignação, pois ele não causa de uma falha no sistema para receber a primeira dose de duas vacinas diferentes, o que não é recomendado nem pela Organização Mundial de Saúde e nem pelo Plano Nacional de Imunização. Um médico que recebe duas doses representa uma dose a menos para um cidadão. O Estado e a Prefeitura devem-no-lo pelo que fez ”, disse Cristiani ao G1.

Em nota, Unimed Assis informou que uma cooperativa foi apenas um ponto de vacinação, por meio de uma parceria com uma Secretaria de Saúde do município. “Não havia como saber se o Dr. Oliveira havia sido vacinado porque o nome dele estava na lista por ter manifestado o interesse em se vacinar, o que foi feito”, diz uma nota enviada ao Uol. A Unimed informou ainda que “o setor jurídico da cooperativa foi acionado e as medidas cabíveis estão sendo estudadas internamente”.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here