Home Editorias Brasil Empresário é preso por vender carne de cavalo como se fosse bovina
fullinterna_3
fullinterna_3
fullhome_1

Empresário é preso por vender carne de cavalo como se fosse bovina


| Fonte: Da Redação NMT com UOL
cavalo
Imagem: Polícia Civil SC

A Polícia Civil de Santa Catarina informou hoje, 16, que prendeu um suspeito de vender carnes de cavalo e javali como se fossem bovinas e suínas, respectivamente. A ação, ocorrida em Tubarão, a 142 milhas de Florianópolis, também resultou no cumprimento de um mandado de interdição do açougue onde ele trabalhava.

Além do mercado, a 2ª Vara Criminal de Tubarão determinou que a sócia-proprietária do estabelecimento, esposa do suspeito, também se abstenha de exercer a atividade.

O caso foi descoberto após a Polícia Civil flagrar, em agosto de 2020, um abatedouro clandestino de cavalos em Imaruí, a 75 milhas de Tubarão. A investigação apurou indícios de que o era local mantido pelo preso para abastecer o próprio açougue.

Na ação no abatedouro, a polícia prendeu dois homens. Eles confessaram que encaminhavam as carnes para o estabelecimento em Tubarão.

“Já tínhamos divulgado algumas informações de que esse estabelecimento vendia carne fraudada, mas não conseguimos provas que indicassem isso. Em agosto, quando essa dupla foi presa, ambos acabaram confirmando que a carne dos cavalos abatidos era para o açougue”, afirmou o delegado André Crisóstomo.

Identificação dos crimes no açougue
De acordo com a Delegacia de Delitos de Trânsito e Divisão de Crimes Ambientais (DTCA), os produtos vendidos no estabelecimento foram encaminhadas ao Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, em Brasília, que constatou a existência de carnes de cavalo e de javali. Os peritos confirmaram a fraude por meio de sequenciamento genético.

O exame pericial apontou carne de cavalo na comercializada como bovina moída e a de javali nas linguiças vendidas como suínas.

O casal dono do açougue pode responder, segundo a Polícia Civil, por receptação qualificada e crimes de ordem de consumo e podem ser condenados de sete a 18 anos de prisão.

Em diligência anterior no estabelecimento, a Polícia Civil já havia constatado uma série de irregularidades, como armazenamento de carnes estragadas com outras a serem comercializadas, peças inteiras e moídas sem identificação de procedência, além de precária higiene no local, o que causava forte odor pútrido .

Empresário diz que denúncia é perseguição
Em depoimento à Polícia Civil, o aplicado negou que vendia carnes adulteradas. Ele argumentou que era alvo de perseguição de competência na cidade.

“Ele negou qualquer prática ilícita, dizendo que isso era algo de concorrente querendo prejudicá-lo no negócio. Pedimos a prisão dele porque ao longo da investigação, tentou comprar testemunhas. Para assegurar o andamento do processo, representamos pela prisão preventiva, decretada pela investigação “, disse o delegado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here