Home Editorias Eleições 2020 Deputado Claudinei obtém informações sobre o Hospital Regional de Rondonópolis
fullinterna_3
fullinterna_3
fullhome_1

Deputado Claudinei obtém informações sobre o Hospital Regional de Rondonópolis


| Fonte: Da Redação NMT com Assessoria
hospital
Diretora informa sobre os avanços do Hospital Regional para Claudinei

A diretora do Hospital Regional de Rondonópolis, Kênia de Lima Gomes, durante encontro com o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) e o vereador Dr. José Felipe Horta Júnior (Pode), deu um panorama dos trabalhos desenvolvidos e avanços alcançados pela unidade de saúde. Atualmente, a instituição conta com a atuação de 951 profissionais, entre contratados e prestadores de serviço.

O deputado, que já requereu informações sobre pacientes que aguardavam procedimentos cirúrgicos por falta de materiais na unidade, em outubro do ano passado, à Secretaria de Estado de Saúde (SES) de Mato Grosso, teve um posicionamento de Kênia de que a situação está controlada. “As cirurgias ortopédicas estão tranquilas. Em outubro, realmente tínhamos problemas sérios. Está normalizado. Nós chegamos a ficar com pessoas no aguardo para operar e, hoje, chegamos a ter apenas duas pessoas”, informou.

Conforme o secretário de Saúde de Mato Grosso (SES), Gilberto Figueiredo, as cirurgias ortopédicas são um assunto complexo devido ter um problema de abastecimento e colapso de fornecimento no país, pelo fato de a maioria das próteses ser de aço ou outro tipo de material especial. Ele considera que um dos motivos se deve ao impacto causado com a pandemia da Covid-19.

“Todo mundo acha que vai ao hospital e que tem autonomia para fazer o procedimento cirúrgico. A cirurgia ortopédica demanda uma prótese, existe a estabelecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde) paga. Quando está fora do SUS, uma prótese chega a custar R$ 25 mil. Existe um problema de abastecimento no país, a pandemia impactou tudo. Se a empresa não conseguir suprir, os pacientes vão aguardar meses. Neste momento não é problema financeiro e não há contingenciamento no governo do estado na saúde”, esclareceu o secretário.

A diretora informou que atualmente a unidade hospitalar não está fazendo cirurgias eletivas devido terem sido suspensas por meio de decreto. “O maior problema são as cirurgias eletivas do estado, chegamos na pandemia, não é vontade minha e do governo, quem paga é o SUS e é o Ministério da Saúde que solicitou a suspensão. Só as de urgências são feitas, mas as eletivas não. Não é uma vontade particular nossa, porque o paciente de Covid-19 não pode ficar esperando”, enfatizou Gilberto.

Resultados – Kênia reconheceu a atuação do secretário à frente da SES com o apoio à gestão do Hospital Regional de Rondonópolis e que ele é bastante preocupado em encontrar soluções aos problemas, não havendo limitações por parte dele. “O hospital faz muita coisa, temos muitos resultados. A gente fez cerca de 4 mil cirurgias em 2020, tem muita produção e muitos profissionais têm se dedicado neste período da pandemia da Covid-19”, frisou.

Ela destacou que o atendimento na área de hemodiálise no município é considerado um dos mais modernos. “A hemodiálise mais moderna que existe em Mato Grosso está em Cuiabá e Rondonópolis. Investimento caríssimo, mas é super moderno e dá um resultado muito melhor para o paciente”, disse.

Em relação à imunização dos profissionais que estão na linha de frente da Covid-19, a diretora informou que todos foram vacinados. “Já fizemos a primeira chamada com um cronograma do pessoal que estava direto na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e enfermaria Covid-19 e a UTI geral. Nós atingimos quase toda a totalidade. Mas, ainda não foram vacinados todos os funcionários”, explicou.

“A diretora foi bastante receptiva e nos passou o cenário de como está a gestão deste importante hospital que atende as regiões sul e sudeste de Mato Grosso. Muito bom identificar os avanços alcançados e esperamos que continue assim, mesmo com os contratempos que podem ocorrer no caminho”, comentou Claudinei.

O Hospital Regional de Saúde de Rondonópolis é referência na região sul de Mato Grosso, que realiza atendimento por meio da Central de Regulação, Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ou Unidades Básicas de Saúde (UBS).

O vereador Dr. Felipe Horta também esteve presente na reunião

 

 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here