Home Cuiabá Deputado Leonardo (SD) acredita que governo vai “apagar cicatriz” do VLT com...
fullinterna_3
fullinterna_3

Deputado Leonardo (SD) acredita que governo vai “apagar cicatriz” do VLT com implantação do BRT


| Fonte:
VLT

Após o anúncio do Governo do Estado, de que o projeto de mobilidade urbana mais viável para Cuiabá e Várzea Grande é a implementação do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT) ao invés da conclusão das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o deputado federal dr. Leonardo afirmou que espera que a iniciativa beneficie a população.

Deputado é favorável ao BRT

“Faço votos de que agora o governo do Estado consiga transformar essa cicatriz em Cuiabá e Várzea Grande em algo bom para a população com o retorno da ideia inicial do BRT”, afirma o parlamentar em apoio ao modal.

Em primeiro lugar, o BRT já era uma das opções cotadas para implementação de uma solução para o transporte da Capital, quando o VLT começou a ser construído para ser entregue antes da Copa do Mundo de 2014. No entanto, a obra que nunca foi entregue consumiu 1,08 bilhão com apenas três quilômetros de trilhos prontos.

De acordo com os estudos técnicos elaborados pelo Governo de Mato Grosso e pelo Grupo Técnico criado na Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, o governador pediu a mudança de modal ao Ministério do Desenvolvimento Regional.

Decisão baseada em números

Os laudos apontam que o tempo de conclusão estimado para a obra do VLT é de até 6 anos, enquanto o BRT pode ser entregue à população em um período de tempo menor, dois anos.

O valor a ser investido pelos cofres públicos também seria menor para a implementação dos Ônibus de Trânsito Rápido. Serão investidos de R$ 430 milhões para toda a implantação. Já para o VLT, seria necessário mais R$ 763 milhões.

O custo para o usuário do transporte coletivo também seria menor, sendo a tarifa estimada para o VLT de R$5,28 – acima até do valor praticado na cidade, que é de R$4,10 – enquanto para o BRT seria possível oferecer o transporte por R$3,04 por embarque.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here