Home Editorias Geral Também fui estuprada aos 9 anos pelo agressor de Sara, denuncia nova...
fullinterna_3
fullinterna_1
fullinterna_3

Também fui estuprada aos 9 anos pelo agressor de Sara, denuncia nova vítima


| Fonte:
vítima

Uma nova vítima de Antônio Ramos Escobar, de 58 anos, que confessou na semana passada ter violentado e matado a menina Sara Vitória Fogaça, quando ela tinha 5 anos de idade, em 2010, procurou a Polícia Civil em Sorriso (a 397 km de Cuiabá) e o denunciou. A nova vítima diz também ter sido estuprada por ele quando tinha apenas 9 anos. A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelas investigações, André Ribeiro.

“Hoje ela tem 19 anos e nos procurou na sexta (11) e relatou que foi abusada por este indivíduo na mesma época. Colhemos as declarações desta vítima e vamos proceder o encaminhamento das investigações e do inquérito policial por mais um crime que ele vai responder. Acreditamos que possam ter inclusive mais vítimas, portando as investigações do caso Sara continuam”, detalha o delegado.

Ainda segundo o delegado, a prisão de Antônio foi convertida em prisão preventiva, uma vez que ele estava preso temporariamente por cinco dias e ele vai ficar preso por tempo indeterminado.

“Na sexta conversamos com o preso, mas ele passou mal e teve que ser socorrido e enfim, não se lembra mais do local, não sabe mais apontar o local certo. O local que ele apontou, estivemos lá, fizemos escavações, mas lá não está. Porém as investigações continuam e em busca de saber onde estão os restos mortais da menina. Pois no local apontado por ele não está”, afirma.

O suspeito do crime foi preso na terça (8), no bairro Nova Aliança. Ao ser preso, confessou tudo e deu detalhes ao delegado André Ribeiro.

O homem, à época, trabalhava numa construção e viu a menina passar pela região. Ele relatou à polícia que ofereceu carona a ela numa bicicleta, ela subiu na garupa e ele a levou até a obra. Lá o homem a estuprou e depois a matou asfixiada. No período do crime, o suspeito trabalhava como pedreiro.

“Ele contou o que ele fez com ela na obra e em seguida, claro, ela gritou e chorou, e, por isso, ele apertou o pescoço dela e acabou matando (a menina) asfixiada”, revelou o delegado.

megafullhome_meio

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here